Skip to content

Os 3 segredos-chaves para a fluência no inglês não ensinados na escola

3-most-powerful-secretsVocê se sente frustrado quando ouve uma conversa em inglês entre falantes nativos, como se o nosso inglês não tivesse nada a ver com o que você aprendeu? Sente que algo atrapalha seu fluxo comunicativo, como um bloqueio mental que não te deixa falar inglês naturalmente?

Abordaremos, hoje, três componentes da fluência em inglês que, apesar de raramente ensinados, são EXTREMAMENTE importantes, pois podem mudar radicalmente sua forma de falar, ouvir, e fluir na comunicação.

Read in English  | Lea en Español

Baixe os arquivos de áudio deste texto para escutar em inglês

Esses aspectos dinâmicos da fluência são absolutamente cruciais para o uso proficiente do inglês, pois os nativos os utilizam em todos os lugares. O único problema é que pouquíssimas pessoas sabem explicar isso, além de quase não haver escolas que os ensinem.

Hoje, você tem uma oportunidade especial para aprender. A seguir, os 3 segredos-chaves para a fluência no inglês não ensinados na escola:

  1. SOUND MORPHING: como os nativos cortam, combinam e omitem palavras e sons quando falam.
  2. MARCADORES DE DISCURSO: um grupo extremamente dinâmico de palavras e frases comuns que servem para preencher, conectar, associar, centralizar, assim como dar pausa e ritmo à comunicação.
  3. PRONÚNCIA, ENTONAÇÃO, RITMO E FLUXO: elementos da pronúncia e entonação nativas que (a) facilitam sua compreensão auditiva e (b) permitem que você se comunique de forma fluida e natural em inglês.

1. Sound Morphing

Como dito anteriormente, a Sound Morphing tem a ver com o corte, a combinação, e a omissão de palavras e sons na fala dos nativos. Essa é uma das maiores razões pelas quais a maioria dos estudantes de inglês não entendem os nativos. Aprender não é tão difícil como você possa imaginar.

A maioria das pessoas acredita, erroneamente, que a causa da sua má compreensão auditiva reside no fato de falarmos depressa e com muitas gírias. A verdade é que aglutinamos e mesclamos as palavras, e isso é algo que 99% dos alunos de inglês nunca tiveram a chance de aprender.

Baseados no parágrafo acima, demonstraremos brevemente as diferenças entre como a língua inglesa realmente é falada e como ela é aprendida. Para começar, direi uma frase de forma natural, depois pausadamente e, outra vez,  naturalmente.

A. Como os nativos realmente falam (apenas ouça):

B. Pronúncia padrão (ouça e leia):

“What are you going to get when you go to the store tonight with the wife and kids?”

C. Como os nativos realmente falam (ouça e leia) –

“whatchagonna get when ya go-da-the store-danightwi-the wife ‘n kids”

É assim que falamos, e o objetivo dessa lição é te ajudar a reconhecer o fato de que  o sound morphing é a ESSÊNCIA do inglês falado pelos nativos. Ponha isso na sua mente, e sua fluência melhorará bastante.

Whatcha Gonna Do10 exemplos comuns de mixagem sonora:

  • What are you= whatcha/whatch-ya- What are you doing? (wha-tchya doin’?)
  • What did you= “wha-djya”- What did you do today? (“wha-djya do-daday”)
  • What do you= “wha-da-ya”- What do you think? (“wha-da-ya think?”)
  • Going to= gonna
  • Want to= wanna
  • Got to= gotta
  • Should have= shoulda
  • Could have= coulda
  • Would have= woulda
  • Give me= gimme

2. MARCADORES DE DISCURSO

Conforme mencionado na introdução, os marcadores de discurso são grupos de palavras ou frases extremamente dinâmicos que funcionam como mecanismos linguísticos de preenchimento, centralização, conexão, associação, pausa e ritmo presentes na fala. Lembre-se que sua língua materna também possui marcadores de discurso.

É provável que essa definição seja complicada, mas agora apresentaremos uma comparação entre duas frases: uma com marcadores de discurso (exemplo A) e outra praticamente igual, mas sem os marcadores (exemplo B). Ouça e observe como cada um deles flui e tente perceber a diferença no sentido. É sutil, mas significante.

Exemplo A (com marcadores de discurso):

So, Look, you see, I’m not like totally fluent in Italian, you know, but it’s kind of similar to Spanish. Well, I mean, they aren’t exactly the same, but they have kind of like similar grammatical structures, you know?

Então, como você vê, eu não sou totalmente fluente em italiano, sabe, mas é mais ou menos parecido com espanhol. Bem, quero dizer, não é exatamente igual, mas tem meio que estruturas gramaticais similares, sabe?”.

Exemplo B (sem marcadores de discurso):

I’m not totally fluent in Italian, but it’s similar to Spanish. They aren’t exactly the same, but they have similar grammatical structures. (“Eu não sou fluente em italiano, mas é parecido com espanhol. Não são exatamente iguais, mas possuem estruturas gramaticais similares”.)

Você pode argumentar que o exemplo B é mais objetivo, gramaticalmente correto e preciso, mas gostaria de deixar claro que falantes nativos não falam assim, já que eles são fluentes, não robôs falando em inglês. Somos humanos, e precisamos dessas pausas para pensarmos, refletirmos, sermos maleáveis, e esclarecermos ideias que possam ser sensíveis, abstratas e ambíguas.

Admito que, no exemplo A, há um uso excessivo de marcadores de discurso. Se você falar usando um monte de marcadores de discurso, ou vai parecer um adolescente (veja a entrevista do Justin Bieber usando o marcador “tipo” 63 vezes), ou que não está certo do que diz.

Usar adequadamente os marcadores de discurso é crucial para uma comunicação fluente.

Falantes nativos usam os marcadores de discurso O TEMPO TODO, assim como você, no seu idioma. Eles nos dão tempo para pensarmos, fluirmos, preenchermos espaços, mudarmos de tema, e para nos ligarmos à essência abstrata da comunicação.

Falaremos mais sobre os marcadores de discurso em textos futuros, mas já deixaremos aqui alguns do RLE que possam te interessar:

Mesmo que você memorize estas palavras no sentido literal, é importante estar atento às variadas formas usadas por nós, e aberto para outras, já que há pouca informação disponível sobre o tema. Meus conselhos os seguintes: (1) preste atenção e aprenda a entendê-las; (2) brinque com elas, use-as com seus amigos e use-as no seu inglês; (3) relaxe e continue aprendendo!

3. PRONÚNCIA, ENTONAÇÃO, RITMO E FLUXO

Este último segredo tem a ver com um grupo de estratégias de pronúncia pouco conhecidas. A verdade é que a maioria dos estudantes de inglês erra no modo como lida com a pronúncia. Não se aprende de forma mecânica, e muito menos a partir de um livro de texto.

A primeira coisa que você precisa saber é que o problema não está no seu sotaque. As pessoas dão muita atenção às palavras em si, quando deveriam estar atentas à musicalidade, ritmo e fluxo da comunicação em inglês, bem como aos itens lexicais (ou às unidades fonológicas).

A seguir, um vídeo que resume magistralmente o que foi exposto:

Como mostra o vídeo, o inglês é uma língua compassada. Dominar a clareza e o ritmo adequado da pronúncia requer uma mudança completa no modo de se aprender. Aqui vão 3 importantes dicas de pronúncia:

Ouça a música que há por trás das palavras

Em vez de manter o foco na grafia das palavras, PRESTE ATENÇÃO na melodia da linguagem. Como Patty Kennedy (especialista em sotaques) diz no vídeo, “o problema é que você está tentando falar a minha língua no padrão rítmico da sua”.

Na sequência, ela diz que o inglês é uma língua compassada, e que tudo pode ser batucado. Este vídeo musical revela a face oculta da língua inglesa, coberta pelo caráter abstrato das palavras (mas que soa como inglês):

Esse vídeo mostra perfeitamente o plano de fundo musical das palavras. Qualquer pessoa que estiver desatenta, mesmo sendo falante nativa, pensará que estão cantando em inglês. O único problema é que as palavras não passam de meras abstrações.

PARA TREINAR: assista ao vídeo novamente e tente cantarolar junto.

Aglutine e mescle as palavras ao falar

Falantes nativos, especialmente dos Estados Unidos e Canadá, costumam misturar as palavras, fazendo que duas se tornem uma (mixagem).

Não falamos palavra por palavra, ao contrário do que se aprende num livro de texto. Essa combinação é importante para o ritmo da linguagem, fazendo com que muitas palavras sejam ditas como se fossem uma só.

  • No exemplo referente à mixagem sonora, apresentado na primeira parte deste artigo, “with the wife” se tornou “wi-the-wife.”
  • No vídeo acima, a respeito da redução do sotaque, “Where is Bob? Bob is on the phone” se transforma em “Wherezbob? BobizOn The Phone”.

Imite os falantes nativos

Para que sua pronúncia flua com a naturalidade dos falantes nativos, fale como eles. Imite-os.

Como Paddy Kennedy diz no vídeo, “treine os órgãos de articulação: a língua, as bochechas, os lábios, a boca por inteiro – e exagere”.  Além disso, recomendamos trava-línguas, música e que imite a fala de nativos. E lembre-se de gravar a sua própria fala.

Os recursos a seguir também te ajudarão:

Chamada à ação

Agora que você aprendeu sobre os 3 segredos-chaves para a fluência no inglês não ensinados na escola, que incluem o Sound Morphing, os marcadores de discurso, além do ritmo e fluência, de que forma você os integrará ao seu processo de aprendizado? Como você fará do seu aprendizado algo divertido, efetivo e permanente?

Infelizmente, não há muitos recursos interessantes sobre esses temas. Entretanto, se você mantiver uma escuta atenta e ativa, usar sua própria experiência de vida para aprender e, acima de tudo, prestar atenção em como os nativos usam, de fato, a língua, começará a aprender naturalmente.

Caso queira aproveitar ao máximo o que temos a oferecer, venha para nossa comunidade no Facebook, ouça nossos podcasts semanais, e lembre-se do mais importante: cadastre-se em nossa lista de e-mails, a fim de que você fique a par de tudo que acontece no Real Life English.

Cadastre-se e bom proveito! Cuide-se bem.

FREE E-book: 101 Words You Won’t Learn in School

  • Bruno Cascimiro de Oliveira says:

    Cara adorei o assunto, e confesso que eu venho estudando a muito tempo sobre esses três temas. Parabéns pelo blog muito informativo, tenho certeza que vai ajudar muita gente.
    Gostaria de deixar uma dica, para quem procura entender mais sobre os temas abordados, dá uma passadinha no Site da Rache’l English, tem um monte de vídeos legais que vai ajudar muita gente que procurar entender mais sobre os temas abordados no seu post.
    Há e por ultimo, vai ai um vídeo legal que me ajudou muito também, espere que vocês gostem. http://www.youtube.com/watch?v=Uc2Y7xxkp5s

  • Rodrigo says:

    Great article, Justin!

  • It´s cool learn about the language that you teach to others learners!!! You made a very good blog here!!! Congratulations!!!

    • Justin says:

      Hey Lucia, Thanks for your nice comment and for reading our blog! Let us know if there’s anything we can do to make your learning process easier!

  • >