Skip to content

Como planejar O SEU intercâmbio perfeito

Você pensa em viajar para o exterior para aprender inglês, mas ainda não sabe qual o país ou mesmo qual programa escolher?

Você está com medo de ir para uma casa desagradável, uma escola ruim ou voltar para o Brasil sem ter aprendido muito a língua?

E mesmo se você tiver tido uma ótima vivência, você tem alguma ideia do que esperar quando voltar pra casa?  Como você incorporaria o inglês na sua vida depois de ter estudado tanto para aprender?

Entre na RLE International Community E receba brindes gratis  /  Leia este texto em inglês

*Participe do RLE/ RCIIS sorteio para ganhar um curso de 4 semanas em Toronto

Questões como essas são muito importantes a considerar quando se pretende criar seu próprio programa de estudo fora, e o RLE está aqui para te guiar nessa jornada! O melhor conselho que podemos dar a vocês é relativamente simples:

Tenha em mente claramente o que você quer e precisa.

Abra sua cabeça para as possibilidades.

Informe-se!

Aprenda o que separa sucesso de fracasso. Aprenda quais são as características de um bom programa. Aprenda também o que esperar, o que evitar e como balancear as diferentes facetas de uma das experiências mais importantes da sua vida.

É uma chance de fazer com que essa experiência torne-se ÚNICA, sensacional e, ainda, que seja não só catalizadora da fluência no inglês, mas também uma nova maneira de pensar e interagir com o mundo.

APRESENTANDO O REAL LIFE ENGLISH BLOG DE INTERCÂMBIO

O RLE é o seu guia para a fluência no inglês e nós estamos empenhados em lhes oferecer dicas e conselhos para o seu programa de estudo no exterior (seja ele de High School, Universidade ou programas independentes). Este é o primeiro de muitos artigos que irá investigar, revisar e qualificar a jornada de estudos fora do Brasil.

Vamos acobertar uma vasta área de tópicos que versam sobre o processo de estudar fora, desde questões como “quando é a melhor hora para estudar fora?” até os processos de preparação; como se sair bem uma vez que você já está lá e, por fim, como lidar com a experiência de voltar para casa – combinando o que você aprendeu fora com sua vida de volta ao Brasil.

Quatro Questões para se perguntar ANTES de Decidir Estudar Fora é o primeiro de uma série de artigos intitulados Como planejar o SEU intercâmbio Perfeito. Vamos abordar vários tópicos e discutir, em outros artigos, demais estágios de um intercâmbio. Participe da lista de e-mails da RLE para acompanhar.

QUATRO QUESTÕES PARA SE PERGUNTAR ANTES DE DECIDIR ESTUDAR FORA

1. Esse é o melhor momento para eu estudar fora?

O melhor momento não tem só a ver com seu nível de inglês. Depende também de uma combinação entre seus traços de personalidade, idade/maturidade e de outras circunstâncias da vida.

Você precisa ser maduro o suficiente para aproveitar ao máximo a experiência fora, tanto com relação à língua como com relação à cultura. Com relação ao seu nível de inglês, as pessoas que geralmente aproveitam ao máximo um intercâmbio são aquelas que já possuem um nível entre médio e avançado.

Fique atento, um programa de intercâmbio NÃO VAI transplantar o inglês para dentro do seu cérebro como mágica! Um intercâmbio demanda uma fundação sólida de gramática e comunicação. Você confia na sua base de inglês?

2. Você tem um interesse sólido para estudar fora?

Assim como é importante ter um propósito claro para aprender inglês, também é importante ter uma mente aberta para aproveitar ao máximo sua experiência cultural durante o intercâmbio.

Muita gente paga caro para estudar fora e não se beneficia muito da experiência. Isso acontece porque elas fazem o que os outros estão esperando que ela faça, ou seja, não descobriram o motivo real de elas mesmas estarem em um intercâmbio. Estão fazendo por ser legal fazer, por acharem que a viagem vai melhorar o inglês. Esses motivos são vazios e oferecem uma experiência e um resultado – com relação ao inglês – pobres.

Ter uma ideia clara, única e bem pensada acerca do seu próprio propósito para uma viagem dessas demanda certo nível de maturidade, autoconhecimento e abertura para o processo de aprendizagem. Não se sinta mal caso você não possua um MOTIVO forte, mas reconheça que isso enriqueceria sua experiência.

Se você não tem uma ideia clara do por quê, não significa que você não deveria estudar fora. No entanto, pensar sobre as razões de viajar para aprender inglês, descobrir o motivo exato para fazê-lo e conversar com pessoas que já fizeram pode te ajudar muito a descobrir.

3. Eu realmente preciso estudar for a para aprender inglês e expandir minha perspectiva cultural? 

Se estudar fora não é algo que te inspira, mas você possui um inglês intermediário, talvez você não precise gastar todo aquele dinheiro para estudar inglês em um programa oficial, em qualquer país que seja.

Talvez sua experiência fosse muito mais enriquecedora se você pegasse o mesmo dinheiro e criasse uma experiência independente. No entanto, para chegar a este ponto, você terá que conversar com pessoas que já fizeram algo parecido, pesquisar escolas diferentes em países que você visitou e, acima de tudo, ser extremamente pró-ativo com relação ao seu próprio aprendizado.

Requer muita imaginação e busca de si próprio, mas quanto mais você entende seu próprio funcionamento, o que você quer e precisa, o que o sucesso significa para você, mais fácil é fazer as coisas acontecerem. Você pode fazer um mochilão pela Europa visitando museus E descobrir algumas escolas para estudar no caminho.

Toda cidade grande no mundo tem escolas de inglês onde você pode estudar por uma semana no mínimo (ou até mesmo menos). Você ainda pode aproveitar esta oportunidade para participar de conferências e workshops na sua área de atuação.

3. Eu realmente preciso estudar for a para aprender inglês e expandir minha perspectiva cultural? 

Se estudar fora não é algo que te inspira, mas você possui um inglês intermediário, talvez você não precise gastar todo aquele dinheiro para estudar inglês em um programa oficial, em qualquer país que seja.

Talvez sua experiência fosse muito mais enriquecedora se você pegasse o mesmo dinheiro e criasse uma experiência independente. No entanto, para chegar a este ponto, você terá que conversar com pessoas que já fizeram algo parecido, pesquisar escolas diferentes em países que você visitou e, acima de tudo, ser extremamente pró-ativo com relação ao seu próprio aprendizado.

Requer muita imaginação e busca de si próprio, mas quanto mais você entende seu próprio funcionamento, o que você quer e precisa, o que o sucesso significa para você, mais fácil é fazer as coisas acontecerem. Você pode fazer um mochilão pela Europa visitando museus E descobrir algumas escolas para estudar no caminho.

Toda cidade grande no mundo tem escolas de inglês onde você pode estudar por uma semana no mínimo (ou até mesmo menos). Você ainda pode aproveitar esta oportunidade para participar de conferências e workshops na sua área de atuação.

4. Comece a sonhar AGORA! Imagine as possibilidades!

Sonhar antecede a viagem e permanece presente durante todo o processo. Se você ainda não começou a sonhar, esse é um passo urgente para você criar sua PRÓPRIA e perfeita experiência de estudos fora.

Não custa nada e, se você aprender a usar sua imaginação de uma maneira inteligente, seu processo de aprendizagem ganhará vida de uma forma inexplicável. Se você quer muito viajar, não importarão os obstáculos, sonhar vai te ajudar a encontrar uma maneira de viver essa experiência, quem sabe dividindo-a em pequenos passos de cada vez.

Essa é a chance de libertar a criança em você e começar a investigar qual cultura você acha interessante e atrativa. É sua chance de abrir a cabeça e seu coração a lugares que você sempre quis conhecer. Pode soar um pouco cliché (ou romântico), até porque é mesmo cliché, o que não faz com que seja menos verdadeiro: Pessoas que absorvem e curtem intensamente suas experiências fora do país são sonhadores que investem suas emoções e criatividade nessas experiências. Abaixo estão algumas maneiras de começar a sonhar de forma inteligente AGORA!

Comece a escutar músicas do lugar para onde você quer viajar, tente conhecer pessoas de lá através da internet, enfim, tente conectar sua vida, a língua e sua profissão com as pessoas que vivem lá. Não é um passo difícil considerando o estado atual em que estamos com relação à tecnologia e às redes sociais.

Se você quer ir para Vancouver, no Canadá, por exemplo: o que você poderia aprender sobre a cidade? Como é o clima e quais são seus planos quando você chegar lá? Se você estuda Design de Moda, há alguma comunidade, rede social ou programas para pessoas nessa área? Você conhece alguém que já esteve lá e pode te indicar pessoas que ainda moram lá para que você possa conversar?

Quanto mais você aprender sobre o lugar que quer viajar, mais infraestrutura, vontade e imaginação você terá construído para que seu sonho de viagem aconteça. Vamos começar agora!

CHAMADA PARA AÇÃO

Se você pôde tirar algo deste artigo, que seja ao menos o reconhecimento de que estudar fora não é somente uma experiência do tipo “Como posso aprender inglês”. É também uma experiência cultural e social que é digna de sua atenção, imaginação e inteligência.

O potencial real de um intercâmbio é que VOCÊ tem o poder de criar uma nova maneira de interagir com o mundo, mudando o curso da sua vida e tornando-se uma pessoa melhor e mais completa.

A fluência no inglês, que no início foi o objetivo principal, será somente secundária dentro da fluência cultural, da expansão das suas perspectivas – que agora incluirá o restante do mundo – e do potencial sem limites que você terá sobre ele de agora em diante.

Esse é o nosso sonho e a mensagem que gostaríamos de passar aos nossos leitores no lançamento do Blog de Intercâmbio do Real Life English. Participe da nossa lista de e-mails e nos deixe guiá-los nessa jornada à Fluência do Inglês e no Seu Intercâmbio Perfeito.

Temos um questionário final que gostaríamos de ter o seu feedback:

Para onde você sonha viajar e como você pensa que seu intercâmbio fará diferença? Como uma viagem pode mudar a vida de uma pessoa e promover um impacto no mundo?

Adoraríamos ouvir os pensamentos de vocês na língua que quiserem escrever. Lembrem-se, gostamos de feedback. Queremos melhorar o que estamos fazendo através do estudo da nossa comunidade de leitores. Obrigado pela leitura!

Entre na Real Life English International Community e receba um brindes gratis

  • EDAIR GONÇALVES says:

    Eu acho uma utopia uma pessoa que durante sei lá quanto, mas vamos dizer, uns vinte anos somente a lingua materna sua esteve em sua mente tentar mudar a maneira como pronuncia as coisas, principalmente porque não tem nada a ver por exemplo Português com Inglês, ira causa uma confusão tremente, o quê acho que é as empresas deveria ver mais a capacidade de cada um desenvolver seu trabalho, no que se habilitou em uma universidade, não apenas se sabe ou não falar inglês, é uma idiotisse tudo isto, mas fazer o quê a sociedade de pessoas burras só fica viajanda na maioneze mesmo e outra logo o Inglês não será a língua mais falada no mundo, já está començando este estágio dela fica para trás, a pessoa deve pensar bem se vale a pena investir no apredizando de uma língua que está com os seus dias contados.

  • Eu acho ótimo fazer um intercambio cultural para aperfeiçoar no caso o Inglês que uma língua internacional de comunicação , e quanto mais línguas falarmos melhor será. Após o intercambio acho agente vai ver o mundo de outra maneira , sem dúvidas.

  • Eu estou planejando um intercâmbio cultural por países que sempre me encanrtaram e quero aproveitar para fazer trabalho voluntário nesses locais, pois tenho certeza que assim, poderei aprender além do que imagino.

  • >